.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Histórico? 

Embora compreenda a perspectiva do Miguel Vale de Almeida e de tantos outros, revejo-me mais na posição do Vasco M. Barreto. Foi alcançado um objectivo fundamental para todos nós (eu incluída, que também quero casar-me com a mulher que amo): a afirmação por parte de um partido que pode governar da necessidade de alterar a lei e de o fazer a breve trecho.
Sucede que o fim não justifica o meio. A medida vem tarde, carregada de oportunismo político e, ademais, recomenda que o entusiasmo seja contido. Isto porque se trata apenas de uma menção numa moção: não está no programa de governo e, como já escreveu o Héliocoptero no Devaneios LGBT, «O comportamento errático não é sinal de credibilidade e o PS não é crível nesta matéria. Já o foi, mas mandou isso pela janela fora quando fez tábua rasa das suas próprias palavras em Outubro passado. (...) quem já foi cobarde uma vez, pode sempre voltar a sê-lo».
De paleio estamos nós fartos. Não consigo, por isso, rejubilar por aí além com o discurso proferido ontem por Sócrates, muito menos consigo apelidar o anúncio de "histórico", como faz a Fernanda Câncio (em comentário a este post). Histórico teria sido demonstrar coragem e vontade política há três meses. Não posso simplesmente considerar histórica uma medida que deixou em suspenso a vida de tantos LGBT, nos quais eu me incluo, sem qualquer razão válida para tal a não ser os interesses eleitorais do Partido Socialista. Daqui até o casamento entre pessoas do mesmo sexo ser uma realidade no meu país posso muito bem morrer. E não serei apenas eu a morrer solteira: assim também morrerá a culpa.
De igual modo, não acho histórico que o Senhor Primeiro Ministro só agora tenha chegado à conclusão de que a questão da igualdade entre todos os cidadãos é uma prioridade. Na realidade, acho até bastante triste.
Ainda que todos os pontos da agenda de que fala o Miguel se concretizem, uma coisa é certa: este tema será sempre uma mancha no currículo do PS e nenhum LGBT deveria esquecer-se disso. Estou optimista em relação à mudança, claro, mas até que ela opere tenho todo o direito de duvidar das boas intenções dos socialistas.

Nota: este texto foi publicado (com ligeiras alterações) como comentário a este post do Miguel Vale de Almeida.

Comentários: Enviar um comentário


Links to this post:

Criar uma hiperligação

Somos altos, baixos, magros, gordinhos, extrovertidos, introvertidos, religiosos, ateus, conservadores, liberais, ricos, pobres, famosos, comuns, brancos, negros... Só uma diferença : amamos pessoas do mesmo sexo. Campanha Digital contra o Preconceito a Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros. O Respeito ao Próximo em Primeiro Lugar. Copyright: v.


      
Marriage is love.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

referer referrer referers referrers http_referer