.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>

sábado, 25 de junho de 2005

So what if I'm gay? 

Hoje, por volta das 17h00, terá início a Marcha do Orgulho LGBT. O evento evoca a memória da revolta das lésbicas e dos gays presentes no Stonewall, um bar gay friendly situado em Manhattan, Nova Iorque, aquando de uma rusga policial, em 1969. Fartos de serem um alvo constante dos insultos e cargas policiais motivados apenas pela homofobia, os homossexuais ofereceram resistência, tendo saído para a rua e feito os agentes recuar, gritando palavras de ordem contra a discriminação.

Este acontecimento é tido como o marco histórico da luta que os homossexuais, primeiro, e os LGBT, depois, vêm travando pelos direitos mais básicos que as sociedades insistem em negar-lhes. Que direitos são esses? Todos estamos fartos de o saber: vão desde a mais elementar liberdade para exprimirem despreocupadamente a sua sexualidade em público até aos direitos fundamentais, como o de casar e o de constituir família.

Este ano, a Marcha do Orgulho LGBT tem como mote "Cumprir a Constituição: Homofobia Não!". A intenção é clara: não é possível permanecer neste estado de coisas, de alheamento do atropelamento e da negação de direitos das pessoas com fundamento na sua orientação sexual. Todos temos o dever de o dizer bem alto, todos temos o dever de nos insurgirmos contra quaisquer violações de direitos.

Embora a Marcha do Orgulho LGBT seja um palco privilegiado para esse efeito, não é o único. Todos nós, seja em família, no emprego, entre os amigos, na rua, na Igreja, em qualquer lugar e circunstância devemos erguer a voz contra situações de injustiça, tenham os alvos dessa injustiça as características que tiverem: cor da pele, sexo, religião, raça, orientação sexual, idade, etc.... Repito, a luta pelos direitos das pessoas não está adstrita a circunstancialismos, nem de lugar, nem de tempo.

Se, como eu, é daquel@s que hoje não vão desfilar na Marcha, pelo menos não fique em casa todos os dias, não feche os ouvidos todos os dias, não fique calado todos os dias. Insurja-se, revolte-se, confronte - mas faça alguma coisa quando assistir a situações de denegação de direitos.


Somos altos, baixos, magros, gordinhos, extrovertidos, introvertidos, religiosos, ateus, conservadores, liberais, ricos, pobres, famosos, comuns, brancos, negros, homens, mulheres, novos, velhos... Só há uma diferença: amamos pessoas do mesmo sexo.
Postal da Campanha Digital Contra o Preconceito a Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros © RV


Ao longo da minha vida, procuro aplicar uma lição que aprendi em tenra idade. Ensinaram-me que se eu quiser dar um passo em frente, devo levar sempre alguém pela mão, porque assim, quando alcançar o fim da caminhada, terei alguém ao meu lado para abraçar e comemorar: não é possível fazer um brinde apenas com um copo... e a vida só vale a pena se for vivida assim.

Todavia, os caminhos nem sempre se desbravam com violência e com catanadas. Caminhos há que só se abrem com urbanidade, respeito e paciência. Seja qual for a estratégia, o fundamental é ter em mente o ser humano, e a preservação da sua singularidade e irrepetibilidade. Cada homem é quem é, e merece por isso respeito, pelos seus pontos de vista, pelas suas opiniões, pelas suas ideias. Quando tod@s o fizermos em relação ao nosso semelhante, a vida de tod@s fará sentido.

A música que escolhi para tocar na grafonola das "Mentes", I am what I am, de Gloria Gaynor, diz precisamente isso. Que ela sirva de incentivo a tod@s nós.


Tenha orgulho. Acredite em si e nos outros. Saia do armário.


I am what I am
I am my own special creation
So come take a look
Give me the hook or t he ovation
It's my world
That I want to have a little pride in
My world
And it's not a place I have to hide in
Life's not worth a damn
'Till you can say
I am what I am!

I am what I am
I don't want praise, I don't want pity
I bang my own drum
Some think it's noise, I think it's pretty
And so what if I love each sparkle and each bangle
Why not try to see things from a different angle
Your life is a sham
'Till you can shout ou
I am what I am

I am what I am
And what I am needs no excuses
I deal my own deck
Sometimes the aces, sometimes the deuces
It's one life and there's no return and no deposit
One life, so it's time to open up your closet
Life's not worth a damn 'till you can shout out
I am what I am

I am what I am

I am what I am
And what I am needs no excuses
I deal my own deck sometimes the aces, sometimes the deuces
It's one life and there's no return and no deposit
One life so it's time to open up your closet
Life's not worth a damn 'till you can shout out
I am what I am

Oh I am
Oh I am
I am, I am, I am good
I am, I am, I am strong
I am, I am, I am worthy
I am, I am, I belong

I am

I am

Ooh ooh ooh ooh I am

I am, I am, I am useful
I am, I am, I am true
I am, I am somebody
I am as good as you, ah ha
Ah ha, ooh ooh ooh ooh yes I am
Ah ah ah ah

Doo doo doo doo I am
I am, I am, I am


Comentários: Enviar um comentário


Links to this post:

Criar uma hiperligação

Somos altos, baixos, magros, gordinhos, extrovertidos, introvertidos, religiosos, ateus, conservadores, liberais, ricos, pobres, famosos, comuns, brancos, negros... Só uma diferença : amamos pessoas do mesmo sexo. Campanha Digital contra o Preconceito a Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros. O Respeito ao Próximo em Primeiro Lugar. Copyright: v.


      
Marriage is love.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

referer referrer referers referrers http_referer