.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>

sábado, 7 de janeiro de 2006

In memoriam 

Cáceres Monteiro (1948-2006)
Carlos Cáceres Monteiro
(09.VIII.1948 - 03.I.2006)


Nascido a 9 de Agosto de 1948, em Lisboa, Carlos Cáceres Monteiro tinha 57 anos, era casado, quatro filhos, e desempenhava, actualmente, as funções de director editorial do grupo Edimpresa. Antes, foi director-adjunto de «O Jornal», do qual foi um dos fundadores em 1975, dando origem não só a esse jornal, marcante em 18 anos fundamentais da vida portuguesa (até 1992) como a um importante grupo editorial e de Comunicação Social, que subsistiu até 1998.
No início de carreira, trabalhou como repórter, nas revistas «Flama» e «Século Ilustrado», tendo sido também subchefe de redacção em «A Capital» e editor de política nacional do «Diário de Notícias». Foi correspondente em Lisboa da revista espanhola «Câmbio 16», nos tempos áureos desta newsmagazine. Foi director do Jornal «Sete». Tem colaborações dispersas em outras publicações, como a «Seara Nova» e «JL, Jornal de Letras». Foi comentador político em diversas estações de rádio e cobriu a Guerra do Golfo para a TSF em 1991, bem como o conflito israelo-árabe em 2002, em Jerusalém, Telavive e Belém. Desde 1980 e até 2000, foi analista político regular na RTP, e até há poucos meses era comentador da SIC/Notícias e comentador residente da Antena 1 (RDP). Foi membro do Conselho Fiscal da TSF-Rádio Jornal.
No campo social, foi dirigente das associações de estudantes entre 1964 e 1969, que eram perseguidas pelo regime de Salazar, e fez parte do órgão coordenador daquelas estruturas estudantis, a RIA. Abandonou a Faculdade de Direito de Lisboa para se dedicar ao jornalismo. De 1977 a 1981 (dois mandatos, não se recandidatando ao terceiro), foi presidente do Sindicato dos Jornalistas. Deu aulas de jornalismo no Ensino Superior e Secundário. Colaborou no Projecto Piloto para o Ensino do Jornalismo em Portugal, em 1970.
Carlos Cáceres Monteiro foi ainda co-autor, em 1975, do livro «Por onde vai Portugal» e, no mesmo ano, autor de um outro: «Angola, país de Vida ou de Morte».
Mas os seu maiores êxitos editoriais, como autor, foram «O Mundo em AZERT» (1989) e «O Enviado Especial» (1991), dois álbuns de reportagens internacionais, editados pelo Círculo de Leitores, o segundo dos quais com fotos suas. A mesma editora publicou também um livro com as reportagens que fez numa das suas viagens à China, «China, contra-revolução tranquila», com fotos de Eduardo Gageiro. Lançou um outro volume intitulado «Amazónia Proibida», incluindo uma das reportagens que fez no Brasil onde tem viajado periodicamente. As reportagens na China receberam o «Prémio Gazeta 1985» do Clube de Jornalistas. Em 2002 publicou, em conjunto com Jacinto Rego de Almeida, o álbum de reportagens «Mistérios da Amazónia - Cadernos de uma Expedição nas Guianas e no Brasil» (Editorial Notícias).
Trabalhou (1984/85) com o então primeiro-ministro Mário Soares, ocupando o lugar de Director-Geral da Comunicação Social, departamento que geriu, sendo responsável pelos programas culturais no Palácio Foz. Fez parte do MASP (Movimento de Apoio à Candidatura Presidencial de Mário Soares) nas campanhas eleitorais de 1986 e 1991. Publicou dois livros de ficção: «Fast Lane» («Heptágono», 1984) e «Apogeu e Queda de Bernardo Malaquias («Europa-América, 1989).
Viajante um pouco por todos os pontos do planeta, cobriu guerras no Golfo Pérsico e Angola, e diversos conflitos locais (El Salvador, Camboja, Rodésia, Irão, Chiapas, etc.), a situação na Europa de Leste, antes e depois da queda dos regimes comunistas, fez frequentes trabalhos no Extremo-Oriente, designadamente no Vietname. Dessas experiências deu conta, ainda recentemente, no livro «Hotel Babilónia», editado em Junho de 2004. Faleceu a 3 de Janeiro de 2006.

Fonte: Visão Online

Comentários: Enviar um comentário


Links to this post:

Criar uma hiperligação

Somos altos, baixos, magros, gordinhos, extrovertidos, introvertidos, religiosos, ateus, conservadores, liberais, ricos, pobres, famosos, comuns, brancos, negros... Só uma diferença : amamos pessoas do mesmo sexo. Campanha Digital contra o Preconceito a Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros. O Respeito ao Próximo em Primeiro Lugar. Copyright: v.


      
Marriage is love.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

referer referrer referers referrers http_referer