.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, 21 de março de 2005

Poesia 

Que me perdoem os poetas de régua e esquadro e os da técnica, os do estudo, do conhecimento, das palavras que querem dizer mas não dizem, com medo que se venha a saber, com estilo e figuras de nome complicado, para mim poesia será sempre e só uma comoção. É que, tal como o verdeiro Poeta:

"Não me importo com as rimas. Raras vezes
Há duas árvores iguais, uma ao lado da outra.
Penso e escrevo como as flores têm cor

Mas com menos perfeição no meu modo de exprimir-me
Porque me falta a simplicidade divina
De ser todo só o meu exterior.

Olho e comovo-me,
Comovo-me como a água corre quando o chão é inclinado,
E a minha poesia é natural como o levantar-se vento...
"

Alberto Caeiro, Guardador de Rebanhos, XIV

Comentários: Enviar um comentário


Links to this post:

Criar uma hiperligação

Somos altos, baixos, magros, gordinhos, extrovertidos, introvertidos, religiosos, ateus, conservadores, liberais, ricos, pobres, famosos, comuns, brancos, negros... Só uma diferença : amamos pessoas do mesmo sexo. Campanha Digital contra o Preconceito a Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros. O Respeito ao Próximo em Primeiro Lugar. Copyright: v.


      
Marriage is love.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

referer referrer referers referrers http_referer