.comment-link {margin-left:.6em;} <$BlogRSDUrl$>

domingo, 24 de agosto de 2003

Silêncio espesso... 


Não, não sei porquê. A escassas horas da sua partida, o silêncio começa a pegar-se às paredes, gelatinoso. Escorre lentamente, desde o tecto até ao chão. Invade-me o quarto, o corpo, a alma.
A palavra não cedeu o seu lugar. Este silêncio tomou-o sem permissão, assim, sorrateiramente. Sabia que este momento chegaria, mas só quando sinto a garganta secar, a língua colada às paredes da boca e uma enorme dificuldade em falar é que me apercebo de que o momento, de facto, chegou.
A noite ficou mais fria, mais escura, mais sinistra. Agora há uma só cor.
O tempo, esse, deixou de correr. Os ponteiros esbarram um no outro e por isso se movem, involuntariamente. A vida continua, mas em câmara lenta, num vagar doloroso.
E neste momento, enchem-me a memória estes versos...

(...)
sabemos criar o sossego
espesso, perante o qual
até o tempo pensa que os
peixes nadam devagar
(...)

in
, Vater Hugo Mãe, A Cobrição das Filhas, Edições Quasi

Comentários: Enviar um comentário


Links to this post:

Criar uma hiperligação

Somos altos, baixos, magros, gordinhos, extrovertidos, introvertidos, religiosos, ateus, conservadores, liberais, ricos, pobres, famosos, comuns, brancos, negros... Só uma diferença : amamos pessoas do mesmo sexo. Campanha Digital contra o Preconceito a Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros. O Respeito ao Próximo em Primeiro Lugar. Copyright: v.


      
Marriage is love.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

referer referrer referers referrers http_referer